"O nordestino é muito receptivo à cultura japonesa"

Por Anna Ruth Dantas

18/03/2014
Essa semana, a capital potiguar recebeu a visita da cônsul do Japão em Recife, Hitomi Sekiguch

A proximidade do período de Copa do Mundo reflete também nas preocupações e cuidados dos consulados e embaixadas. Essa semana, a capital potiguar recebeu a visita da cônsul do Japão em Recife, Hitomi Sekiguchi. Longe de apenas cortesia, a diplomata veio a Natal tratar de assuntos operacionais para garantir tranquilidade ao japoneses que virão a capital potiguar para acompanhar a seleção do seu país.

 

A cônsul confirmou que nas cidades sedes dos jogos do Japão haverá uma equipe reforçada para os dias de jogos. "Eu estou trazendo nossa maior preocupação é com a torcida japonesa que vem para cá e não fala português. Como eles vão se virar caso ocorra alguma coisa?", comentou a cônsul.

 

A segurança é uma preocupação especial da diplomata. "A criminalidade no Japão ainda é bem pequena. Os japoneses são mais tranquilos, andam com a bolsa toda aberta, largam (a bolsa) e vão fazer outras coisas. Isso é uma atenção que a gente tem que chamar, dizer que tomem cuidado. Estamos trabalhando junto com a polícia local e saber quais são as atenções que precisamos passar para os turistas japoneses", destacou.

 

O trabalho especial para a Copa é apenas mais uma missão a se somar ao trabalho dedicado da diplomata, que está há dez meses no consulado em Recife. Uma missão que vai muito além da simples emissão de passaporte e visto, mas a difusão da cultura japonesa. E sobre esse trabalho, Hitomi enaltece a receptividade dos nordestinos. "Vi em Natal que as pessoas gostam muito da cultura japonesa, gostaria de vir mais vezes para poder trabalhar com eles. Só que o tempo é muito escasso. Eu sinto uma pena de não poder vir aqui mais vezes", comentou a cônsul.

 

Veja a entrevista na íntegra: "O nordestino é muito receptivo à cultura japonesa”"