CUSTOS ALTOS para JOGOS na ARENA DAS DUNAS

Gerais

06/02/2015

CLUBES QUESTIONAM CUSTO PARA MANDAR JOGOS NA ARENA

 

Nem tudo é festa com a chegada da Arena das Dunas. A realidade de público em jogos de menor apelo é bem diferente do que foi visto na Copa do Brasil. A Série B de 2014 foi o maior exemplo do fracasso de renda e público no estádio. A média de ocupação das arquibancadas da Arena em jogos do América-RN, time que mais jogou no estádio no ano, foi de apenas 18%, cerca de 6 mil torcedores por partida, por exemplo.

 A situação tem feito os dirigentes dos clubes potiguares se mexerem nos bastidores. Os altos preços dos ingressos cobrados pelo consórcio que administra a Arena e as altas taxas pagas pelas equipes para atuarem no estádio desagradam americanos e abecedistas.

 - Sabemos que a Arena é um estádio diferenciado. A torcida adora ver jogos lá. As famílias vão aos jogos, se sentem seguras. Mas os custos atrapalham. Não é vantajoso para o ABC jogar na Arena em jogos sem apelo de público. Muitas vezes pagamos para jogar lá. Precisamos adaptar o modelo de gestão do estádio à realidade dos clubes do RN. É impossível sobreviver desta forma - analisa o vice-diretor executivo do ABC, Rogério Marinho.

 Procurado, o consórcio que administra o estádio não quis comentar a situação. A concessionária e os clubes firmaram um contrato de uso da Arena válido por cinco anos. No acordo, o América-RN tem que mandar pelo menos 60% dos seus jogos no estádio e o ABC, 40%.

 Além disso, todos os Clássicos-Rei devem ser disputados no maior estádio do RN.

 - É uma situação nova para todos nós. Ainda estamos aprendendo a mexer com um estádio do tamanho e da importância da Arena. Não podemos cobrar um padrão Fifa para jogos do Campeonato Potiguar. Precisamos sentar e encontrar um denominador comum entre clubes e quem administra a Arena - conclui Rogério.

 No balanço final, o primeiro ano de funcionamento da Arena das Dunas teve um saldo positivo. A possibilidade de receber eventos além do futebol se mostra importante para o desenvolvimento de diversos ambientes que favoreçam os mais diferentes interessados no sucesso do estádio, desde os clubes de futebol aos potiguares que investiram R$ 423 milhões na construção da Arena.

 

*Por Norton Rafael LANCENET