Rio, cidade para pobres?

Gerais

17/02/2014
Banhistas tomam coco no calçadão da praia de Ipanema. Foto: Dado Galdieri (Bloomberg)

O Rio de Janeiro, impulsionado por anos de bonança econômica e por sua escolha como sede da próxima Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos, se encontra imerso em uma espiral inflacionária que fez saltar todos os sinais de alerta. Embora há cerca de dois anos o Rio já ocupasse uma posição de liderança nas listas das cidades mais caras do planeta para estrangeiros, a progressiva desvalorização do real supôs uma balão de oxigênio para turistas e expatriados. No entanto, a população local continua sofrendo os efeitos do que claramente é uma bolha de preços insustentável no longo prazo.

 

Enquanto o altíssimo custo de vida continua sendo um dos temas de conversa mais recorrentes entre os cariocas, grupos de indignados se organizam nas redes sociais para denunciar os preços abusivos. O mais criativo e relevante, já apresentado há semanas no EL PAÍS, se chama Rio Surreal e, não com pouca ironia, tem cunhada em sua página de Facebook a nova moeda de câmbio para a capital mais turística do Brasil: o “surreal” (um cruzamento óbvio entre as palavras “real”, a divisa brasileira, e “surrealismo”, o movimento artístico simbolizado por Salvador Dalí, cuja icônica imagem inclusive aparece nas cédulas e moedas virtuais).

 

Em uma outra iniciativa para tentar coibir os abusos de preços, a Prefeitura do Rio publicou um decreto nesta semana criando a Frente Municipal de Combate às Práticas Abusivas, que informará vendedores e consumidores sobre práticas irregulares, passando ainda a uma segunda fase em que multas serão aplicadas aos infratores.

 

Eduardo Crespo, professor de Economia da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) opina que “a Copa e os Jogos Olímpicos, somados ao boom do crédito e imobiliário, estão na origem do problema. Os aluguéis dos estabelecimentos comerciais são altíssimos, e isso tem um impacto no preço final dos produtos. Ainda assim, acho que há uma grande diferença de preços entre os bairros periféricos e as zonas turísticas”.

 

A inflação oficial brasileira elevou-se em 2013 a 5,91%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A priori, esse indicador não representa um sinal de alerta, já que a cifra se mantém abaixo do teto de 6,5%, fixado pelo Banco Central. Mas o Rio é um caso à parte. Aqui não se aplicam as lógicas de mercado que regem o resto do país e sempre está no ar o “fator Copa”, esse imponderável que provoca cotidianos abusos de preços ante o olhar perplexo de milhões de cariocas. O EL PAÍS elaborou uma lista de preços dos produtos e serviços que mais podem afetar o visitante. Todos eles foram reunidos em pedidos na rua nos bairros mais turísticos da cidade ou nos recibos de compra divulgados por internautas nas redes sociais.

 

Para quem quer poupar em alimentação, o supermercado é indiscutivelmente a melhor opção. Em um dos grandes centros comerciais que oferecem as melhores ofertas da cidade, um litro de leite custa 2,29 reais (0,95 dólar), uma lata de cerveja nacional 1,49 real (0,62 dólar), um quilo de arroz 2,99 reais (1,24 dólar), um quilo de carne de primeira 19,90 reais (8,3 dólares) e um quilo de açúcar 4,25 reais (1,77 dólar).

 

Se fizermos um percurso pelos quiosques das praias de Copacabana ou Ipanema, epicentro do turismo, o tradicional coco gelado beira 6 reais (2,5 dólares) e alugar um guarda-sol pode superar os 15 reais (6,25 dólares). Em qualquer bar da zona sul, o normal é não pagar menos de 6 reais (2,5 dólares) por uma cerveja pequena ou 5 reais (2,08 dólares) por um café. E se o objetivo for comer, o principal telejornal da TV Globo divulgou recentemente o que poderia ser considerado o cúmulo da especulação: em um restaurante de Copacabana uma omelete feita com 6 camarões e quatro ovos custa 99 reais (41,25 dólares). Em um estabelecimento vizinho de sucos e lanches, um sanduíche misto chega a 17,90 reais (7,45 dólares), enquanto um croissant recheado com presunto e queijo sai por 25,90 reais (10,79 dólares). Dez reais (4,16 dólares) pode custar meio litro de suco de laranja em uma tradicional “casa de sucos”. Um cálculo realizado pelo portal G1 chega à conclusão de que com esse dinheiro podem ser compradas 48 laranjas em um supermercado.

 

Para se deslocar pela cidade, um trajeto em táxi do bairro de Leblon até o centro (pouco mais de 13 quilômetros) não custará menos de 35 reais (14,58 dólares). Se a opção for o metrô (que ainda não chega ao Leblon) ou o ônibus, terá de calcular 3,20 reais (1,33 dólar) no mínimo. Não obstante, é importante saber que o atual sistema de transporte público deixa muito a desejar.

 

O alojamento é, sem dúvida, o assunto mais sensível quando se fala de especulação no Rio. As 34.000 habitações ofertadas nos hotéis da cidade parecem não cobrir a crescente demanda e isso leva inevitavelmente a uma brutal escalada de preços. Por exemplo, já se sabe que a tarifa média de um quarto em 18 de junho próximo, quando se enfrentarão no Maracanã as seleções da Espanha e do Chile, chega a 1.520 reais (633 dólares). Um apartamento de três quartos com vista para o mar na Avenida Atlântica de Copacabana (sem mobiliário) se aluga nessas mesmas datas por 2.850 reais por dia (1.187 dólares).

 

Outros anunciantes mais comedidos oferecem um apartamento de três quartos no rico Leblon por 16.000 dólares para todo o mês da Copa do Mundo. Na Lagoa Rodrigo de Freitas, um apartamento de luxo custa 250.000 reais (104.166 dólares) durante o mesmo período.

 

Segundo Cidinha Campos, secretária estadual de Defesa do Consumidor do Rio de Janeiro, a única forma de combater esse fenômeno é que “os cariocas se organizem e tomem suas iniciativas para se proteger desses abusos”. “Por exemplo, evitando o consumo de produtos com preços abusivos ou levando a comida à praia. Tem que acabar a cultura de que levar comida à praia é feio. Como consumidora, todos os dias levo minha comida ao escritório, já que estava gastando 500 reais (208 dólares) por semana para almoçar. É uma loucura.”

 

Reportagem na íntegra: Rio, cidade para pobres?