O país dos trinta Berlusconi

Gerais

12/02/2014

A concentração da mídia nacional em poucas famílias explica a trágica trajetória de um "falso" e "interesseiro" jornalismo.

 

Para a FIFA a Copa do Mundo de futebol 2014 o lucro estimado é de R$ 5 bilhões, a lista dos 20 parceiros comerciais para a Copa.

 

- 6 (seis) sócios (Adidas, Coca-Cola, Hyundai, Emirates, Sony e Visa)
- 8 (oito) patrocinadores (Budweiser, Castrol, Continental Pneus, Johnson & Johnson, McDonald’s, Seara, Oi e Yingli Solar)
- 6 (seis) apoiadores locais (Centaurus, Wise Up, Itaú, Garoto, Liberty e Apex)

 

UFRN NA COPA sugere: Sugerimos uma atenta verificação nos donos destas empresas, como foram formadas, quais suas atitudes nas relações comerciais, com os concorrentes e principalmente se deveriam estar relacionadas aos esportes - patrimônio cultural humano - e se atendem as necessidades e princípios de saúde.
Um bom início de leitura crítica é a obra: Os Senhores Dos Aneis - Poder, Dinheiro e Drogas nas Olimpiadas Modernas - Andrew Jennings

 

Os jornalistas Andrew Jennings e Vyv Simon, em seu livro Os Senhores dos Anéis: Poder, Dinheiro e Drogas nas Olimpíadas Modernas, relatam uma situação inusitada. Depois de se infiltrarem na alta cúpula do COI (Comitê Olímpico Internacional), foram a uma reunião entre uma empresa de material esportivo, os dirigentes do COI e uma importante atleta olímpica da Alemanha Oriental. Após algum tempo, eles começaram a estranhar o não-comparecimento da atleta alemã. Foi então que notaram que ela estava presente sim, só que eles a confundiram com um homem, pois estava barbada! As altas doses de hormônio ingeridas pela atleta fizeram com que nascessem pêlos em seu rosto. Esse é só um dos exemplos entre as centenas de casos ocorridos nas Olimpíadas. Alguns pesquisadores, mais céticos, acreditam que os números estão na casa dos milhares. Mas por que duvidar dos números se é só contar os casos de atletas pegos em exame antidoping? A resposta é simples e lamentável: os fabricantes das substâncias usadas em doping (hoje em dia existem milhares) estão tecnologicamente passos à frente da tecnologia usada para detectá-las. E esse não é o problema maior. Muitas vezes, as autoridades são coniventes com o doping. Um exemplo disso aconteceu alguns anos atrás, quando os atletas de ciclismo que participariam do Tour de France (uma das mais famosas provas de ciclismo do mundo) ameaçaram fazer greve caso houvesse exames antidoping periodicamente e sem aviso prévio. Por sinal, o livro Os Senhores dos Anéis teve seus direitos adquiridos pelo próprio COI, que retirou as edições de circulação, pois ele comprovava a negligência da própria entidade com alguns atletas que eram patrocinados por grandes marcas esportivas ou países exponenciais no cenário mundial.
Depois sugerimos uma verificação sobre as relações do COI com a FIFA, se houve a adoção dos mesmos métodos e manutenção de poder por muitos anos sempre com troca de favores, eleições com representantes sob suspeita e crescimento - percebam as semelhança no brasil (COB e CBF) além das federações estaduais e convfederações de outros esportes também não adotam a mesma forma de relação com filiados - a última sugestão é verficar quem está cada vez mais ricos - os clubes formadores de jogadores? ou os órgãos que os controlam?

 

UFRN NA COPA comenta: verifiquem uma opinião sobre patrocinadores nas Olimiadas de Londres 2012
no Blog Robercley.

 

Leia também: Relatório da ONG Reporteres sem Fronteiras